segunda-feira, 7 de outubro de 2013

a fundo






água mole em pedro duro
tanto bato até que furo
e água nova bate em mim
e passa reta sem me ver

e tem sido sempre assim
desde que não vejo você;
porque há tempos há um buraco
que eu não sei por quê está aqui

um buraco que precisa existir
mas que existe em carne viva
que é áspero por dentro
e faz da água abrasiva

eu não sei se ainda é a hora
de chegar ao fundo do rio
e deixar o limo crescer

ou se simplesmente sigo no rio
e afundo
no mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário