quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

oceano





falar não é opção
qualquer ato é involuntário
estado nulo
como se uma parte de mim
estivesse em outro estado
pulo
como num ato missionário

é muito simples, é mito
talvez devesse queimar um mato
qualquer devaneio vapor
é um barato
dos ruins
como um ópio vencido
comido por cupins
num prato
                          [ o famoso medo da cara-de-pau que é uma grande furada

e aí inundo a mente pó
arrasto o lixo para debaixo do pano
tento aguar a tensão com suor
pra transbordar de paz esse oceano

Nenhum comentário:

Postar um comentário