sábado, 22 de março de 2014

acidente







o fato é que não existe
o amor como imaginamos
e eu não sei se estou disposto
a acordá-los dessa mentira

eu não acho muito saudável
subtrair um rim ou um fígado
mas o lance é que eu não tenho mais nenhum dos dois
então pra mim é fácil

eu não acredito mais
e eu não sei se devo ensinar
mas não existe
o que existe é o encontro casual
infelizmente
o amor é uma obra acidental
é uma pintura surrealista
somos geniais sujando o quadro
então eu sujo

tento não idealizar
mas no fundo idealizo
porque mesmo esse acidente
já está em minha cabeça
então eu percebo que nunca experimentarei
o amor como eu penso
que é narcisista
se eu pensar do ponto de vista
que eu quero alguém como eu

infelizmente
o amor
é pra ser tomado
em doses homeopáticas
e talvez seja um sinal
de que ele não é para nós
que amamos

terça-feira, 11 de março de 2014

entrelinhas







o tato social poderia ser encarado como uma deficiência
uma habilidade que não consta nos currículos
um requisito que esqueceram de nos pedir
mas que está em todas as cartas de emprego

um curso que é aparentemente uma perda de tempo
e que vai nos distanciar do que realmente importa
que vai nos levar a uma vida torta
buscando sempre os caminhos alternativos, as brechas

um curso dolorido, invisível
com testes ninjas invisíveis
como desviar das palavras facas
se esconder na clara realidade obscura
saltar sobre os telhados dos corações
e ainda assim
ouvir o bater de asas da benévola mosca
perante um som a toda altura:
a cultura

os tempos modernos nos exigem a interdisciplinaridade
hobbistas de psicologia, psicanálise, antropologia, ufologia
porque a inteligência artificial está evoluindo
e é cada vez mais importante decifrar
a linguagem entrelinhas
ou os algoritmos que capturam
os alienígenas como nós
num qualquer programa SETI
ninjas que estudam, trabalham,
amam no tempo livre
e meditam em cachoeiras Lorenzetti

terça-feira, 4 de março de 2014

teia








continuando a série sobre a descoberta
de como estamos programados
ou como as engrenagens são lubrificadas
dissecando as opiniões lançadas
e as ideias pré-fabricadas

hoje a dúvida que me resta
é até onde seremos os mesmos
daqueles que conhecemos
e qual o laço que nos liga
senão a irmandade verdadeira

porque eu não acredito em outro laço
todos os outros são efêmeros
todos os outros são simples fome de espírito
momentânea, como que por ansiedade

os contatos, o destino
o ser humano à nossa frente
se você não perceber a teia que nos envolve
e se você não souber andar nela
você cai ou se prende

perceber o outro pela essência
dissociar o costume
depois de tantos fatos vivenciados
é uma ciência