quarta-feira, 9 de setembro de 2015

absolutamente nada






vamos parar de brincar
de esconde esconde
você me mostra onde
estão ocultos esses desejos secretos;
logo eu que sempre tive segredos tão discretos
de leve assim pra não distoar

e daí você para de fingir
que não liga pro que eu faço
que não liga pra mim e cancela
que não cancela eventos pensando em mim

e daí você para de beijar
as bocas dos meus interesses
para de me perseguir fazendo festa
cometendo crimes na minha frente
que para mim, hoje
mais parecem roubar doce de criança

vê se se toca
                        [ mais
vê se percebe o que é mais justo
e segue de uma vez uma vida simples
sem ligar muito pro que eu faço
se você disfarça eu também disfarço
e aí a gente finge que se ama e vive em paz

e entende de uma vez por todas
que absolutamente nada que fizer
pode me parar
de ser você

absolutamente nada
que você fizer pode me parar
e se esse é o meu crime
eu aceito de bom grado a pena
de não viver preso

absolutamente nada
vai me livrar dessa ideia
de que tudo tem que ser justo
e nem a mais absoluta cigana oblíqua
vai me enganar

eu só não quero ter que ligar
(já não ligo pra nada na vida e ter que ligar pra toda essa coisa)
gastar processamento à toa
desperdiçar neurônios que bem poderiam estar me deixando rico
em pensamentos tolos

                        [ do you wonder where she is this afternoon?

já que é pra ser assim...
eu aceito a pena de ser tirado de otário
de homem que não dá valor a nada
de ter fama de vacilão
pra guardar como um soldado
esse tesouro aqui no peito
sem corrente nem chave
pra qualquer um que sorrir sinceridade
pegar de mão cheia
no meu coração

eu vejo em cada um
um professor e um aprendiz
é por isso que estamos sempre por um triz
do beijo e do ódio
é por isso que você é tão boa atriz

Nenhum comentário:

Postar um comentário