quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

queijo suíço







a quem eu quero enganar?
sou o mesmo de sempre
a mesma cara lavada
tampouco maduro, al dente;
eu sou o mesmo cara errante
e vazio
e dentro do meu vazio há um espaço gigante
um espaço enorme, um espaço sideral
onde habitam livros em estantes
e um deserto de sal
uns filmes que poucos gostam
estranhos e bossais
ideias gigantes crescem em mim
                      [ bonsais


alguém me fez lembrar
uma parte de mim que achei que tivesse morrido
que tinha ficado lá atrás
um pedaço de mim que eu achava bonito
                               [ um pedaço esquecido
mas que infelizmente não me cabe mais

com todo esse vazio
e não me cabe mais
pois hoje eu sou imenso
e vejo o fundo das coisas
apenas da superfície
hoje eu evito ao máximo
ser desnecessariamente denso
antes de sentir, eu penso
e não acho que sinto menos por isso
é que meu sentimento vai e vem
flui por dentro de mim
como se eu fosse um queijo suíço